Amanda Costa

Astrologia Poética

Drops Astrais

Feliz tudo novo!:
05/01/2019

Pela Astrologia, cujos ciclos estão ligados aos movimentos da natureza, o ano começa com o ingresso do Sol na região da eclíptica (caminho aparente do Sol visto da Terra) que corresponde a Áries, o primeiro signo do zodíaco, no Equinócio de outono no hemisfério sul e de primavera no hemisfério norte. No calendário ocidental de 2019 isso ocorre no dia 20 de março às 18h58min. É quando a Terra, nave-casa e nave-mãe, “faz aniversário” e entramos em uma nova vibração. Sendo assim, qualquer previsão astrológica baseada em início do ano em 1 de janeiro não tem fundamento.

Apesar de arbitrário, imposto a nós, o início do ano civil em 1 de janeiro tem uma força toda especial, catalisada pelo inconsciente coletivo e pela potência das muitas cabeças com o mesmo pensamento. Nós conferimos poder a esta data.

Repetimos uma tradição, com a mesma estrutura dos ancestrais ritos de passagem. Encenamos/vivemos um mito cosmogônico: a criação de um mundo novo. As festas, além de celebração, têm uma função purgadora, purificadora e de renovação. Como em todas as iniciações, esta passagem envolve desafios, testes, confrontos, questionamentos, dúvidas, assim como algum tipo de perda (ou a sensação de), pois precisamos nos desprender de um estado antigo para dar espaço para os novos brotos.

Tudo é novo e nada é novo. A mente é que nomeia princípio, conceitua e aponta início e fim das coisas. Trocam-se calendários, lava-se a casa, veste-se roupas de diferentes cores como pele de renascer. Resoluções projetam soluções e desenham expectativas; que se reinventem as ações e comportamentos também.

Confraternizar, celebrar a vida com aqueles que gostamos é tão bom...! Vamos comemorar o Ano-Novo tantas vezes quanto calendários houver, de todos os povos. E a cada dia em que abrimos os olhos pela manhã. Sem esquecer de nos centrarmos, com serenidade, e realizar nossos necessários balanços, reflexões e de transformar atitudes... Isso é que pode gerar mudanças reais.

Matéria e energia atuam juntas: as colheitas virão através do empenho, do trabalho, da determinação e da perseverança, em consonância com nossos propósitos internos. Lembrando sempre de dar atenção às pequenas coisas do cotidiano, aos cuidados com o corpo e a alma, ao amor em suas múltiplas escalas. O visível é uma expressão do invisível.